Siga-nos no facebook!

Estátua de Morihiro Saito Shihan em Iwama

 

Estágio Campilhas - Summer Seminar

::: site oficial >>

1º Estágio Nacional de Crianças e Jovens

::: site oficial >>

Estágio Internacional na Rússia 2011

::: site oficial >>

Estágio Internacional em Itália 2011

::: site oficial >>

Estágio Internacional na Argentina 2011

::: site oficial >>

Estágio Internacional - Setembro de 2011

05 de Setembro de 2011

::: ver >>

Estágio de Junho de 2011

16 de Junho de 2011

::: ver >>

Obras no Honbudojo (2)

03 de Maio de 2010

::: ver >>

Obras no Honbudojo (1)

19 de Abril de 2010

::: ver >>

Estágio de Professores

14 de Março de 2010

::: ver >>

Estágio de Kumijo

28 de Fevereiro de 2010

::: ver >>

Celebração

14 de Fevereiro de 2010

::: ver >>

Kagami Biraki

7 de Fevereiro de 2010

::: ver >>

Antigo Honbudojo

::: ver >>

Saito Sensei

::: ver >>

Fotografias de O'Sensei

::: ver >>

O' Sensei

É difícil compreender a singularidade do Aikido moderno sem primeiro compreender o seu extraordinário fundador, Morihei Ueshiba, que foi um homem inovador e fora do comum para o seu tempo e contexto cultural.

Morihei Ueshiba nasceu na cidade portuária de Tanabe no dia 14 de Dezembro de 1883. O seu primeiro contacto com as artes marciais ocorreu aos dezassete anos, em Tóquio, numa escola de Tenjin Shinyo-ryu jujutsu.

Em 1903 Ueshiba alistou-se no exercito. Durante o seu serviço militar treinou um ramo da escola Yagyu, talvez Yagyu Shingan-ryu. A extensão e o conteúdo do seu estudo destas artes marciais clássicas continua a ser alvo de especulação. Contudo sabe-se que, ocasionalmente, mesmo depois da sua saída do exercito em 1906, continuou a deslocar-se a Sakai, onde se situava o Dojo de Yagyu-ryu.

Em 1912, Ueshiba organizou um grupo de cinquenta e quatro famílias e liderou-as na colonização da ilha subdesenvolvida de Hokkaido. As severas condições de sobrevivência na ilha não abalaram Morihei Ueshiba, ele era visto como um líder dos seus compatriotas de Tanabe e ajudou as novas famílias a se estabelecerem.

O acontecimento mais significativo durante esses anos, pelo menos em termos do desenvolvimento do Aikido, foi o encontro de Morihei em Fevereiro de 1915 com o excêntrico, mas altamente qualificado, professor de Jujutsu, Sokaku Takeda, que habitava há alguns anos na ilha de Hokkaido.

::TOPO::

Aos trinta e dois anos Ueshiba já era um artista marcial habilidoso, embora ainda não fosse rival para Takeda. O futuro fundador do Aikido ficou fascinado com as poderosas e complicadas técnicas da arte de Sokaku, conhecida como Daito-ruy jujutsu. Morihei dedicou muito tempo e dinheiro à aprendizagem de Daito-ruy, tendo convidado Sokaku a viver com ele de forma a obter uma aprendizagem personalizada. Transformou-se num dos melhores alunos de Sokaku, acompanhando-o muitas vezes através da ilha em viagens de ensino. Durante a sua estadia em Hokkaido, Ueshiba recebeu de Sokaku um certificado do primeiro nível de aprendizagem e adquiriu um domínio considerável da arte. O currículo de Daito-ruy que ele estudou consistia em centenas de técnicas de Jujutsu com movimentos complexos, e controlos. Takeda demonstrava ainda uma habilidade conhecida como "aiki", pela qual controlava a mente do adversário, neutralizando assim a sua agressividade. Era também um perito na utilização do sabre, shuriken e leque de ferro, entre outras armas. As técnicas de Jujutsu de Sokaku Takeda iriam mais tarde servir de base a, virtualmente, todos os movimentos do Aikido, dai que a sua contribuição para a arte de Morihei não possa ser esquecida.

Em 1919 Morihei Ueshiba teve de abandonar a ilha de Hokkaido pois o seu pai estava gravemente doente. Na viagem de regresso a Tanabe, tomou conhecimento, através de um companheiro de viagem, dos poderes curativos de um extraordinário líder religioso chamado Onisaburo Deguchi. Conduzido pelo desejo de encontrar Onisaburo para lhe pedir que rezasse pelo seu pai, Morihei desviou o seu percurso e dirigiu-se a uma pequena cidade chamada Ayabe, o centro da religião Omoto. O encontro com Onisaburo deixou Morihei extremamente impressionado, decidindo ficar na cidade alguns dias.

Quando regressou a Tanabe o seu pai já havia falecido. A morte do pai deixou Morihei bastante afectado psicologicamente. Incapaz de esquecer o seu encontro com Onisaburo Deguchi, decidiu voltar a Ayabe para procurar a paz interior numa vida ascética dentro dos princípios Omoto.

::TOPO::

Ueshiba recomeçou a sua vida na comunidade de seguidores da religião Omoto com a sua esposa, Hatsu, e a filha de 8 anos, Matsuko. Abraçou entusiasticamente a vida simples dos membros da seita e depressa se tornou parte do núcleo interno de apoiantes de Onisaburo. Este ficou impressionado com os conhecimentos de artes marciais de Ueshiba e encorajou-o a ensinar os seguidores interessados da religião Omoto. Isto levou à abertura da "Escola Privada Ueshiba" em sua casa, onde Ueshiba ensinou Daito-ryu Jujutsu.

Em 1922, Morihei Ueshiba recebeu uma visita do seu professor Sokaku Takeda. Durante esta visita, que durou 6 meses, este ensinou muitos dos membros da seita na casa de Ueshiba, tendo-lhe atribuído no final da estadia o certificado formal de ensino.

Onisaburo Deguchi planeava estabelecer uma utópica nação religiosa na Mongólia. Acompanhado por um pequeno grupo de companheiros de confiança, que incluía Ueshiba, Onisaburo partiu para o continente em 1924. Esta acabou por ser uma má decisão pois o grupo foi preso e condenado à morte pelas autoridades chinesas, que só não ocorreu devido à miraculosa intervenção do Consulado Japonês quando já enfrentavam o pelotão de fuzilamento.

Após o seu regresso ao Japão, Ueshiba retomou a sua vida simples em Ayabe. Os seus estudantes de Daito-ryu incluíam alguns oficiais navais, de onde se destacava o Almirante Seiko Asano, também ele um seguidor da religião Omoto. Asano encorajou um outro Almirante, Isamu Takeshita, a visitar Ueshiba e observar a sua arte. Este ficou extremamente impressionado e rapidamente se fizeram preparativos para que Morihei fizesse demonstrações e estágios em Tóquio.

Apesar da ligação de Ueshiba com a religião Omoto ser vista como um obstáculo pelos seus proeminentes apoiantes, o seu carisma e excepcionais habilidades com o Jujutsu contribuíram para a sua popularidade como instrutor da elite militar e política de Tóquio. Finalmente Ueshiba decidiu deslocar a sua família para Tóquio onde passou a dedicar-se ao ensino da arte a tempo inteiro.

::TOPO::

Nos primeiros anos, Ueshiba ensinou nas residências privadas de vários dos seus mecenas, que muito contribuíram para o sucesso do fundador do Aikido.

A arte de Ueshiba, que sofreu várias alterações de nome nos primeiros anos que esteve em Tóquio, cresceu gradualmente de popularidade. Finalmente em 1931, graças ao apoio de mecenas, foram reunidos os fundos suficientes para a abertura de um local de treino permanente, o Kobukan Dojo (actual sede do Aikikai).

Durante uma grande parte deste período, Ueshiba ensinou activamente as técnicas de Daito-ryu Aiki-jujutsu, concedendo certificados de transmissão com o nome desta escola.

Ueshiba distanciou-se gradualmente do seu professor, Sokaku Takeda, ainda que as técnicas de Daito-ryu, com a sua forma algo modificada, continuassem a constituir a parte principal do seu reportório técnico. O nome mais frequentemente usado para denominar a sua arte nos anos antes da guerra foi "Aiki Budo".

Durante todo este tempo Ueshiba manteve laços muito fortes com a religião Omoto e Onisaburo, tendo sido sob a sua protecção que foi criada a "Sociedade para a Promoção das Artes Marciais", cujo objectivo era a promoção das artes marciais de Ueshiba conjuntamente com as actividades Omoto. Esta organização funcionou entre 1931 e 1935, quando a Igreja Omoto foi brutalmente suprimida pelo governo militar japonês.

No final dos anos 30 a maioria dos melhores discípulos e instrutores de Ueshiba foram recrutados para o serviço militar, contribuindo para a redução da actividade do Kobukan Dojo.

::TOPO::

Em 1942 Ueshiba retirou-se para a aldeia de Iwama, onde, longe do frenesim militar da vida de Tóquio, se dedicou à agricultura, ao treino e à meditação. Estes anos em Iwama provaram ser decisivos para o desenvolvimento do aikido moderno. Livre, como nunca havia estado, para prosseguir com total concentração os estudos do Budo, Ueshiba dedicou-se a um treino intensivo e oração, num esforço para aperfeiçoar a arte marcial cujo objectivo é a resolução pacífica de conflitos.

No fim da guerra Ueshiba tinha poucos alunos em Iwama pois esta atingiu fortemente os japoneses. No verão de 1945, um jovem empregado nos Caminhos de Ferro Nacionais do Japão inscreveu-se no dojo de Ueshiba. Morihiro Saito não mostrava ser um aluno promissor ou ter uma habilidade excepcional, mas esteve destinado a ser um dos alunos mais próximos do fundador e, em muitos aspectos, o seu sucessor técnico.

Após alguns anos de reclusão em Iwama, o fundador desenvolveu um sério estudo do sabre e do pau, conhecidos no Aikido como aikiken e aikijo. Ele considerava que a compreensão destas armas era fundamental para a execução apropriada das técnicas de Aikido, que deveriam incluir tanto o treino com armas como o sem armas.

Durante a maior parte deste período, o jovem Saito foi o parceiro de treino do mestre Ueshiba, tendo sido exposto a muitas técnicas e ensinamentos profundos que geralmente o fundador não ensinava.

Durante essa fase da sua vida em Iwama, o fundador também formulou o conceito de Takemusu Aiki, ou seja, a execução espontânea de técnicas infinitas de uma forma completamente apropriada às circunstâncias específicas.

::TOPO::

Muito estudantes que começaram a treinar depois da guerra e que tiveram a oportunidade de ver o fundador ensinar e demonstrar, foram inspirados pelos seus movimentos enérgicos, contudo graciosos, assim como pelas suas ideias da ética das artes marciais.

Nos últimos anos, à medida que a sua saúde se degradava, Ueshiba passava muito tempo em Tóquio. O seu Aikido sofreu uma grande transformação, não tendo a possibilidade de se mover tão depressa ou livremente como quando era mais novo, pois muitas das técnicas foram abreviadas. Ele projectava os seus jovens e poderosos alunos com um gesto rápido, ou com um movimento da sua mão, muitas vezes sem lhes tocar.

Por esta fase da vida de Ueshiba corresponder à primeira fase do crescimento do Aikido internacionalmente, a imagem de um homem idoso com a barba branca a movimentar a sua mão à frente de um atacante domina a mente de muitos estudantes da arte. Mas como o próprio Ueshiba gostava de apontar, as suas habilidades neste estádio eram o produto de mais de sessenta anos de treino.

O fundador do Aikido respirou pela última vez a 26 de Abril de 1969, tendo falecido devido a um cancro no fígado. Foi sucedido pelo seu filho, Kisshomaru Ueshiba que assumiu o título de "Segundo Doshu". A fundação Aikikai, que nasceu depois da guerra como continuadora a fundação Kobukai, desfruta hoje de uma posição proeminente no mundo do Aikido.

Outras formas de aikido são também hoje praticadas:

Yoshinkan Aikido - foi estabelecido por Gozo Shioda e dá ênfase à forma forte como a arte era praticada antes da guerra;

Shinshin Toitsu Aikido - foi criado por Koichi Tohei e é um sistema de saúde com técnicas de Aikido que dá ênfase ao conceito de ki;

Tomiki Aikido - foi desenvolvido por Kenji Tomiki e inclui uma forma de competição;

Yoseikan Aikido - foi fundado por Minoru Mochizuki e é um sistema abrangente que engloba elementos de aikido, judo, karate e kenjutsu.

O futuro do aikido parece brilhante à medida que a arte se aproxima da maturidade. Existem muitos instrutores, tanto no Japão como no exterior, com mais de trinta anos de experiência de ensino e treino. Já foram publicadas centenas de livros, em inúmeras línguas, sobre a arte e muitas aplicações criativas do Aikido são utilizadas na aplicação da lei, na psicologia, na terapia física e em inúmeros outros campos.

 

(1) Fonte: Saito, Morihiro e Stanley A. Pranin. Takemusu Aikido: Fundamentos e bases. Volume 1

::TOPO::